O ultimo fragmento.

Escrito por: Gislei April 04, 2017
separtitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitle
Bem, houve um momento que eu achava que já havia superado aquele antigo amor que tanto mudou minha vida em todos os aspectos, entretanto, é significativo ressaltar o quanto um simples sonho em meio a madrugada pode mudar tudo, de novo. R nunca teve culpa de todo o amor e expectativas que criei a seu respeito, nunca alimentou tal sentimento. Não há outra pessoa para atribuir tal culpa se não a mim mesmo, fui muito ingenuo, acreditei muito e criei expectativas surreais a nosso favor; me recordo que sempre me tratou com extrema gentileza e compreensão em muitos sentidos, mas isso foi devido a seu bom coração com todas as pessoas, quando conversávamos sobre a vida e seus fatores sua mentalidade tão profunda para uma pessoa tão jovem era mais um dos fatores que me faziam cada vez mais se apaixonar.

Talvez eu nunca ame de novo outra pessoa com a mesma intensidade que foi no tempo de minha mocidade, grande parte de minha energia e amor foi oferecida para R. Me pego surpreso por estes sonhos mexerem tanto com minha estrutura emocional mesmo depois de tanto tempo, o pior de tudo foi a indiferença que se criou entre nós e nem a oportunidade de converter aquele sentimento em amizade eu tive, afinal fui enjaulado dentro de mim mesmo e todos os dias era açoitado com pinche e fogo do inferno, até que pude aprender a controlar toda essa escuridão que se instalou, e hoje me resguardo nela. Em cada sorriso que contemplava em suas redes sociais, uma lança flamejante rasgava minha alma, não foi fácil me adaptar a ideia de que tudo que sentia nunca iria se concretizar, nunca iria ser entendido, nunca iria ser correspondido, mas toda a culpa é minha, e da minha estupidez de acreditar que um dia fosse possivel.

Hoje, acredito que esta seja a ultima referencia em meu blog sobre R. Guardarei as melhores memorias que possa ter de alguém que me fez muito bem mesmo que de forma involuntária, e que me trancou em trevas sem ao menos perceber. Desejo aos céus que a felicidade e esplendor cubra a sua vida, e que me perdoe por algum transtorno que possa ter causado em sua jovem vida, tento seguir meus planos, e tem dado certo, talvez algum dia o destino me presenteei com tua amizade de novo, e as coisas possam ser diferentes, mas a probabilidade da certeza é que nosso contato foi rompido, o destino acabou-se por cumprir o que estava escrito.

Um velho colega seu, até porque amigos você falou que nunca fomos.
Não, nada de nada. Não, não me arrependo de nada. Nem o bem que me fizeram. Nem o mal, tudo isso hoje tanto faz!

A dip in the dark

Escrito por: Gislei March 25, 2017 · · · ·
separtitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitle
Na noite anterior fui convidado por uns colegas para ir em uma casa noturna aqui na capital para conhecer o ambiente e a estrutura, breve criarei um post sobre. Entretanto fizemos alguns clikcs lá perto e o resultado ficou satisfatório, segue o post;

Preview: A dip in the dark











Disclaimer // USO
Fotos; J. Souza PH
Camisa; Osklen
Calça;   Dafiti - Calvin Klein
Me siga nas resdes sociais: Instagram(@gisleii) | Twitter(@gisleii | Facebook.com/gisleibrasil 

Oi povo!

Escrito por: Gislei March 14, 2017 ·
separtitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitle
Oi povo! Por incrível que pareça estou vivo, e mais vivo que nunca. Já faz um bom tempo que não apareço por aqui não é mesmo, a junção da perca de interesse + sobrecarga da universidade + carnaval + deveres acumulados. Enfim uma confusão sem tamanho mas agora estou a tentar organizar as coisas por aqui, e parece que tem dado certo. Ainda tem alguns posts que preciso atualizar sobre alguns eventos do final do ano passado, e algumas coisas que andaram acontecendo por aqui. Ta tudo tão bagunçado, e falo isso em todos os planos, o Brasil por exemplo está uma loucura com esse golpe que sofremos e consequentemente essas reformas absurdas, mas isso já é assunto para um outro post.

hello december

Escrito por: Gislei December 06, 2016 ·
separtitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitle

Geralmente este post é uma tradição aqui no blog, desde 2012 eu sempre faço um post de boas vindas a dezembro, esse mês gostoso de viver, o meu mês, ué. Esse mês eu demorei um pouquito a mais para postar aqui mas o importante é que demorou mais o post chegou. Final de semestre, viagem de volta para o interior e uma parcela de desculpas que não justificam mas ok.

Este ano passou muito rápido, parece que o carnaval foi semana passada, o são joão ontem e hoje já é dezembro muito rápido mesmo. Dezembro sempre trás um ar festivo, de comemoração, de férias, de liberdade, enfim de paz.

Sou da teoria que nós precisamos reacender a esperança sempre. Porque ligamos a tv e o jornal no primeiro dia do ano e já vê desabamento. E já vê enchente. E já vê roubo, corrupção, assassinato, tragédia, acidente. A gente passa mais de 300 dias por ano lembrando como o homem pode ser ruim, como ainda há preconceito em pleno ano de 2013, como a mulher ainda encara machismo 24 horas por dia.

De janeiro a novembro, minha esperança vai morrendo pouco a pouco. Vai sendo esmagada pela rotina, esmurrada pelas notícias, espancada por comentários horríveis na internet. O mundo vai fazendo de tudo para eu deixar de acreditar que ainda tem jeito. Que ainda dá para melhorar, que tem sempre um caminho, uma luz minúscula no fim do túnel.

Sim, eu amo dezembro. E as luzinhas de Natal. E as festas de família. E as cartinhas das crianças, os pedidos, os presentes, a onda de solidariedade, o discurso de “vamos ajudar ao próximo”. Porque, se esse é mesmo apenas mais um mês de puro consumo, como vivem dizendo por aí, minha maior compra é sempre a esperança.