Escrito por: Gislei 17 de junho de 2016
separtitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitle
tudo ultimamente tem ficado muito estranho e frio, o que não é novidade para mim. as vezes me pergunto se realmente sou deste mundo, e se realmente pertenço a ele.a aceitação pessoal e algo que ainda não me ocorreu, mas aos poucos vou me acostumando comigo mesmo. a faculdade, as mudanças rapidas de cultura, de pessoas e energia é algo muito novo e ao mesmo tempo muito desconhecido para mim.a solidão ainda me acompanha lado a lado, e temo e me conforto que talvez seja assim para sempre, já nem eu mesmo sei quem sou. me conforto ao som de lana del rey; a passagem de volta ao interior até o momento em uma temporada de ferias juninas me trouxe surpresas que nem eu mesmo esperava, e como sempre recorro ao meu velho diario virtual talvez na forma de um desabafo intenso e abafado, oculto, e solitário.
continuo vivendo, até quando nem eu mesmo sei.

a falta

Escrito por: Gislei 3 de maio de 2016
separtitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitle
Já são quase meia noite, são tantas coisas que acontecem ao mesmo tempo e de repente é como se nada tivesse acontecido é como se nada tivesse mudado; mas mudou. Ultimamente tenho sentido de forma mais intensa e aflorada coisas que nunca tinha sentido antes, é como se um turbilhão de pensamentos e sentimentos confusos invadissem a minha alma e a contaminassem com algo diferente, amargo e torturador. A mudança para a capital realmente tem sido uma experiencia fantástica, a universidade, a nova rotina, as novas coisas que tem acontecido, um gosto de liberdade que chega a ser assustador mais aconchegante. Porém ultimamente tenho sentido falta de algo a mais, mesmo com tantas pessoas ao meu redor, com tantas novas afinidades que surgiram, ainda sinto falta de alguém que me entenda nem que seja por alguns minutos e me compreenda de forma a me completar por alguns segundos, acho que sinto falta de uma companhia, algo que vá além da boa e velha amizade. São quase vinte anos e percebo o tempo escorrendo entre meus dedos como a areia do mar e no entanto, ainda continuo só, sem nenhum experiencia correspondida para guardar na galeria da memoria.

O que tenho é vestígios de um amor platônico que durou tempo o suficiente para marcar a minha vida, e que ressurge no inesperado em forma de sonhos e ilusões, que me fazem nem que seja por alguns meros segundos alimentar novamente uma chama que ao mesmo tempo que me machuca me aquece. Venho a entender que as pessoas geralmente não são felizes sozinhas, e que mesmo com muitos amigos e companhias incríveis, é realmente necessário alguém para compartilhar seu dia de uma forma mais complexa, e se envolver em beijos quentes para se aquecer em uma noite fria. Quando a chuva desaba no meio da noite, me recordo dos bons momentos que inventei em minha mente apaixonada ao lado de alguém que nunca retribuiu meus olhares intensos, mas que sorria um sorriso verdadeiro, o que era suficiente para alimentar minhas ilusões, até que todas desabassem sob minha cabeça me deixando em um estado de extrema confusão.

Enquanto trago um cigarro, o que tem sido um bom companheiro nos últimos dias, imagino o quanto seria agradável encontrar alguém que se importe comigo de verdade, que eu possa fazer uma ligação e falar alguma coisa inútil só para ouvir a voz, e oportunamente fazer um convite indecente, entretanto, espero no tempo, e que não demore.

Relato #1

Escrito por: Gislei 11 de março de 2016 Em Salvador
separtitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitle
Que andei sumido por aqui não preciso nem comentar. São tantas coisas que tem acontecido nos últimos dias que esse post iria virar um pergaminho de tão longo caso eu fosse detalhar aqui. Fui aprovado em Enfermagem, talvez o receio de ver antigos colegas se formando e eu ficando para trás me impulsionou e motivou a enfrentar tudo e se aventurar nessa nova etapa.

Deixar minha família e meus amigos, em minha cidadezinha do interior e vir como uma alma solitária se aventurar na capital não foi fácil, mas nem tão difícil como imaginava, até porque preferi usar da indiferença com o tal do destino com o intuito dele pegar mais leve comigo. Tenho fumado com mais frequência, bebido com a mesma. As vezes os cigarros e o álcool são a melhor e mais fria companhia que você pode ter. Mas nem tudo é trevas, questão de uma semana e alguns dias, posso dizer que tenho alguns colegas confiáveis aqui na residencia, e sinto que algumas reviravoltas ainda podem acontecer, mas me resguardo nas trevas e na escuridão, lá sei que estou protegido. E então somente observo, calculando cada movimento de cada um aqui nesta casa;

(...) Época Mágica

Escrito por: Gislei 7 de março de 2016
separtitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitle
Nasci e fui criado numa época mágica. Em uma cidade mágica, entre os magos. A maioria das pessoas não percebia que vivíamos rodeados naquela teia de magia. Mas eu sabia o tempo inteiro. Ligados por filamentos de prata de oportunidade e circunstância. Essa é minha opinião...
Todos nascemos conhecendo a magia.. Nascemos com vendavais, incêndios florestais e cometas dentro de nós. Nascemos capazes de contar para aves e ler para nuvens, e ver o nosso destino em grãos de areia. Mas então a magia aprende a sair das nossas almas. Elas vão a igreja, apanham, são lavadas, penteadas e saem. Somos colocados em situações difíceis e nos dizem para sermos responsáveis. Dizem para agirmos conforme nossa idade. E sabe porque nos dizem isso?? Porque as pessoas estava com medo da nossa vida selvagem e da juventude... e porque a magia que conheciam os envergonhavam e deixavam tristes pelo que eles deixaram murchar em si mesmos.

Depois de ir tão longe você não pode reavê-lo. Você pode ter um segundo disso, apenas alguns segundos de conhecimento e lembrança. Quando as pessoas ficam chorosas no cinema, é porque naquele teatro escuro, e o ouro fundido da magia é tocado. Só por alguns instantes.
Em seguida, eles saem em direção ao sol da lógica e da razão. E novamente ele seca... E o coração entristece.. e nem sabem o porquê.
Quando uma música desperta uma memória... Quando partículas de poeira giram em um raio de luz, tiram a sua atenção do mundo... quando você ouvir um trem passar em uma trilha distante, e você imaginar aonde ele pode estar indo, você da um passo além de quem você é e onde está.
Por um brevíssimo instante....
Você entrou para o mundo mágico. É nisso que acredito.

Jamie Scott - One Tree Hill 8ª temporada.