primeiro estágio, introdução a enfermagem.

Escrito por: Gislei GISLEI BRASIL, GISLEI, Gislei, G I S L E I, g i s l e i, G i s l e i segunda-feira, 27 de abril de 2015 , ,
separtitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitlesepartitle

Demorei para escrever este retalho aqui, porque a semana realmente fez surgir surpresas loucas, e eu tive que tirar um tempo do mundo, um tempo pra mim, para pensar em tudo que andou acontecendo e que pode acontecer.

Mas voltando ao foco do post, na segunda passada - dia 20.04.2015 - foi o começo dos estágios, o primeiro estágio de introdução a enfermagem foi bem produtivo, e eu curti muito esses dias de estágio. Fácil não foi, mas foi bem gratificante para mim. Sai de Cafarnaum, onde moro, no domingo pela manha mais um colega e um até então amigo. O meu colega é tio desse amigo, porém ambos tem uma faixa etária de idade bem próxima, coisas da vida. O pai do colega que é vô do meu amigo infelizmente resolveu ir, e ficou como um guarda costas seguindo a gente pra cima e pra baixo, no domingo logo cedo tivemos uma aula extra em Irecê com o nosso orientador do estágio, e logo mais partimos para Lapão, onde ficamos por uma semana inteira, no domingo a noite resolvemos sair um pouco, a cidade estava bem movimentada, eu como gosto da farra queria parar em um barzinho onde estava o foco do "movimento", mas o velho acompanhante pai do colega achou que não era um lugar agradável para pessoas de bons costumes. A vontade de gritar socorro foi imensa. Mas respirei fundo, sorri e perguntei a ele qual a sua sugestão de parada.

Acabamos parando em uma lanchonete, que não foi das melhores, nem das piores mas não me agradou em nada. Fiz o pedido do lanche e enquanto aguardava tomei três latinhas de cerveja, talvez para protestar ao velho minha indignação com sua ação conservadora, mas foi tudo tranquilo, por fim acabamos voltando cedo para a "pensão" que na verdade eram quartos anexos a um bar, que mais tarde descobri que não era nada de pensão. Mas já que nos encontrávamos ali nada pode ser feito. OS QUATRO em um quarto só. Com duas beliches (quatro camas), um pequeno espaço simétrico que nos separava as camas, um banheiro sem porta, um café sem açúcar, e a minha boa vontade de levar tudo na esportiva. Na segunda, logo pela manhã tudo tranquilo, e se inicia o estágio no hospital municipal da cidade. 


O grupo do estágio foi composto por oito pessoas, sendo elas: Eu, meu amigo Fê e seu tio otávio, Samy, Xuxa e Andreza que já são super conhecidas porque são de minha turma de enfermagem, e a Marinêz e sua amiga Cássia que são de outra turma, mas pegou o estágio de introdução com a gente. a cássia não saiu na foto porque foi ela quem fotografou.

O estágio foi muito proveitoso, evitei as competições, porque o único que eu teria que superar ali naquele lugar era a mim mesmo. Mas ao meu vê teve alguém que não entendeu isso, e quis competir comigo. Não gosto de citar nomes, mas lembram do colega que citei no inicio do post? Enfim.. Acredito que consegui sim me superar, algumas afinidades foram alimentadas, outras mortas, mas tudo que aconteceu tinha que acontecer, digo isto devido a alguém que tentou me derrubar, mas parece que só impulsionou o meu sucesso nesta etapa. Fiquei mais próximo do meu amigo e da samy, e juntos fazíamos tudo naquele hospital, estávamos dispostos a tudo para ajudar. E isso refletiu na nossa nota, que foi a mesma, uma união, equilíbrio, conexão incrível.


Acho que consegui encontrar um rumo na questão de "o que querer ser quando crescer", como se eu não já tivesse crescido o suficiente para entender o mundo como ele é, descobri que quero sim permanecer nesta área, ser útil a humanidade, e acima de tudo ajudar a quem precisa. A energia do hospital foi bem sutil, acredito eu que devido aos mentores de luz que rodeiam lugares de cura como aquele. Os pacientes foram incríveis, e foi inevitável não se apegar a eles. Tanto que a despedida não foi fácil, mas prossigamos, e que venha os próximos estágios. :)
com puro amor, giz.

Nenhum comentário :

Postar um comentário