quinta-feira, 27 de novembro de 2014

A sexta extinção em massa

Os dados são alarmantes. Em apenas 40 anos, o planeta perdeu 50% das espécies animais. Este dado é resultado de um estudo recente feito pela WWF e pela Sociedade Zoológica de Londres e parece confirmar o que muitos cientistas já declaram há algum tempo: a próxima extinção em massa está sendo provocada pelo ser humano.


Durante toda a vida do planeta cinco grandes eventos catastróficos acabaram com grande parte das espécies que habitavam a Terra. Estes eventos foram decorrentes de impactos de meteoros, erupções vulcânicas e outros desastres naturais. É verdade que a vida se recuperou e estas catástrofes foram responsáveis pela abertura de novos nichos que conduziram a evolução para o surgimento das espécies que conhecemos atualmente.

Porém, como questão de sobrevivência de nossa espécie, devemos ficar atentos ao que vem acontecendo no mundo, especialmente no último século, em que a população humana cresceu de forma espantosa e os habitats de outros animais estão sendo destruídos por causa do uso mais intensivo da natureza pelos humanos.


A Natureza opera através de equilíbrios muito finos, tudo aquilo que aprendemos em Ecologia, e qualquer desvio maior neste equilíbrio podem operar em uma nova extinção global, da qual os humanos não estão livres. Para ler o relatório, siga para o site da WWF e baixe o caderno com as informações completas chamado 'Planeta Vivo' neste link: http://goo.gl/DJCFim
A seguir, eu copio alguns trechos importantes revelados neste estudo.


Espécies Terrestres:
“Espécies terrestres diminuíram 39% entre 1970 e 2010 e esta tendência não mostra sinal de desaceleração. A perda de habitat para abrir o caminho para atividades humanas – particularmente para a agricultura, desenvolvimento urbano e geração de energia – agravada pela caça, continua a ser uma grande ameaça.”

Espécies de água doce:
“O LPI (Lista do relatório 'Planeta Vivo') de espécies de água doce diminuiu em média 76%. As principais ameaças para espécies de água doce são a perda e fragmentação de habitat, poluição e espécies invasoras. Mudanças no nível da água e conectividade dos sistemas de água doce – causado, por exemplo, por irrigação e represas de usinas hidrelétricas – têm um grande impacto nos habitats de água doce.”


Espécies marinhas:
“Espécies marinhas diminuíram 39% entre 1970 e 2010. A redução mais acentuada aconteceu no período entre 1970 e meados dos anos 80, seguido por um período de certa estabilidade, antes de outro período de declínio em anos recentes. As reduções mais marcantes são nos trópicos e Oceano Austral– espécies em declínio incluem tartarugas marinhas, várias espécies de tubarões, e grandes aves marinhas migratórias como o albatroz-errante.”
O relatório ainda indica que a América Latina foi a região onde se perdeu mais espécies deste 1970. A estimativa é que 83% dos vertebrados que vivem em nosso continente tiveram suas populações diminuídas, e mais, muitas espécies que eram desconhecidas da Ciência podem ter sido extintas sem ao menos que as pessoas pudessem descrevê-las antes.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© gislei
Maira Gall