quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Ilha de Páscoa reúne natureza, aventura e mistério


A Ilha de Páscoa seria só mais um pedacinho de terra no meio do Oceano Pacífico se não fossem os Moais – estátuas de pedra em forma de humanos colocadas ali há mais de mil anos. São cerca de 800 estátuas espalhadas pela ilha e que foram feitas pelos rapanuis, antigos habitantes que viviam no lugar entre os anos 1000 e 1700. Ninguém sabe como eles conseguiam mover enormes blocos de pedra na época ou qual seria a função desses gigantes. Alguns pesquisadores acreditam que as estátuas eram presas a troncos e cordas e levadas por vários homens, até chegar ao local escolhido. Eles supõem que essas figuras homenageavam antepassados dos rapanuis ou eram símbolos de deuses que protegeriam a ilha de tempestades e de outras catástrofes naturais.

× LÁ NAS ALTURAS!
Alguns moais ficam sobre plataformas de pedras empilhadas. Ninguém entende como os rapanuis levantavam as estátuas e as colocavam ali.

× OLHOS COLORIDOS
Depois que a estátua era erguida, olhos eram preenchidos com corais e pedras. Os enfeites se decompuseram, mas alguns moais foram restaurados.

× CARAS DE VULCÃO
A maioria das estátuas da ilha são feitas a partir de rochas retiradas do vulcão Rano Raraku, que fica na parte leste da ilha e foram transportadas para vários locais. Os rapanuis contavam com poucas ferramentas e usavam pedras lascadas para esculpir os detalhes nessas rochas. Os maiores moais têm 10 metros de altura e pesam 10 toneladas.

× CHAPÉUS DE PEDRA
As pedras vermelhas são uma referência a chapéus, que provavelmente eram usados por pessoas importantes e se chamavam pukao.

× NO MEIO DO NADA
A ilha é minúscula e foi descoberta pelos europeus em um domingo de Páscoa no ano de 1722. Ela é chamada também de Rapa Nui e de Te Pito o Te Henua - que na língua dos nativos significa umbigo do mundo. É possível visitá-la, mas para isso é preciso ir até Santiago, capital do Chile, e pegar um avião (5 horas de viagem!) ou um barco.

× A HISTÓRIA DOS RAPANUIS
Os ancestrais dos rapanuis vieram de barco da Polinésia (na Ásia) e chegaram à Ilha de Páscoa por volta do ano 100. Ao encontrar uma terra fértil, repleta de animais silvestres, formaram povoados e passaram a morar em cavernas ou casas de pedra. Com o tempo, parte dos recursos naturais se esgotou e aos poucos os nativos foram partindo. A destruição foi tão grande que na época em que o holandês Jacob Roggeveen encontrou a ilha, quase não havia mais pessoas vivendo por ali. Mas, até hoje, a ilha tem moradores, que são descendentes dos rapanuis e procuram manter sua cultura. Para isso, preservam seu idioma e, em festas especiais, usam roupas e pinturas especiais, como os antepassados.

+ Fotos da Ilha de pascoa

Escultura submersa

O mais intrigante é como as estatuas de mais de 3 metros eram feitas sem os recursos que temos hoje em dia.

Estatuas soterradas

Intrigante!

Aumenta mais ainda o mistério, se os povos antigos não tinham ferramentas necessárias para fazer as cabeças que são maiores que uma pessoa e tem o peso de várias toneladas, que devem ter ao menos 3 andares de altura. Como foi possível a criação e locomoção das mesmas? 

Um comentário

  1. Eu acho linda a Ilha de Páscoa, principalmente por essa esculturas, ninguém consegue explicar como elas foram parar lá até hoje... eu queria muito saber como eles fizeram.
    Legal seu post, gostei de saber um pouco mais sobre a Ilha. Obrigada por comentar no meu blog.
    http://gotinhasesperanca.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

© gislei
Maira Gall